Blog Comunidade Semana do Linux

 Blog Comunidade Semana do Linux

É possível ganhar dinheiro com software livre?

É possível ganhar dinheiro com software livre?

Antes mesmo de iniciar a empreitada de cursos e certificados em software livre, é comum o futuro profissional enfrentar um dilema: como vou ganhar dinheiro com algo que ninguém paga para usar?

Primeiramente, é bom esclarecermos que um software livre não necessariamente é um software gratuito. Segundo a definição de Richard Stallman, fundador do movimento de software livre, o software livre é qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado, modificado e redistribuído sem nenhuma restrição, ou seja, liberdade e não gratuidade.

Dessa maneira, ninguém deve ser crucificado por garantir seu sustento a partir desse tipo de software. Para motivar ainda mais quem tem dúvidas em como fazer isso, elencamos cinco maneiras de monetizar a partir de softwares livres.

Vejamos quais são elas:

1. Prestação de Serviços em Software Livre

A prestação de serviços é realizada tanto em empresas privadas quanto em órgãos públicos. Outro ponto importante é que nem todas empresas estão aptas a gastar com softwares proprietários, e como consequência disso, utilizam softwares piratas. Isso representa uma oportunidade ao prestador de serviços de softwares livres, que tem ciência dos benefícios dessa modalidade e pode oferecer seus serviços para contornar essa situação desde a implementação até a instalação.

2. Treinamento em Ferramentas Open Source

Fornecer treinamento é uma possibilidade para profissionais que já estão a algum tempo no mercado e já ganharam confiança para ensinar outros profissionais da forma correta. Contudo, não basta ensinar apenas a técnica.

Quem busca seguir pelo caminho do software livre, até mesmo no início de seus estudos, é motivado pela ética que envolve esse conceito. Cabe ao instrutor desenvolver esse pensamento nos alunos simultaneamente ao estudo técnico, e isso só é possível com professores que vivenciam esse contexto.

3. Desenvolvimento de Software

É possível desenvolver campanhas publicitárias, sites e até mesmo criar a infraestrutura necessária para desenvolvimento posterior de componentes proprietários. Desenvolver softwares livres não significa que você deva simplesmente vender o produto e ponto.

Fornecer serviços como manutenção, treinamento, desenvolvimento posterior e customização também fazem parte do pacote oferecido. Quando desenvolvido na nuvem, pode-se cobrar por tempo de utilização mensal, e ainda oferecer locais de propaganda.

4. Implementação de licenças e hardwares

Existem vários tipos de licenças de software que estão relacionadas a como o software livre pode ser utilizado. Além da própria economia decorrente da não utilização de software proprietário, o profissional pode estudar as licenças e visualizar como se beneficiar de possíveis implementações não apenas de software, mas também de hardware (máquinas exclusivas para firewall, por exemplo).

5. Autoria de material didático

Pode-se dizer que a produção de material antecede o momento que o profissional passa a fornecer treinamento. O material didático atualmente não é restrito a apostilas impressas, mas se estende a vídeos, webinars, podcasts, etc. Essa é uma boa maneira de obter reconhecimento e se manter atualizado, já que para criar materiais de qualidade, o profissional deve se manter atualizado e com o conhecimento afiado.

O mais importante é que nenhum dos meios mencionados é destrutivo ou restringe o acesso dos usuários aos programas. Isso é fundamental quando se fala em software livre.

Lembramos ainda que a competição é acirrada e a existência de profissionais de baixa qualidade é menor quando relacionado aos softwares proprietários. Isso nos diz que a qualidade dos cursos e certificados é fundamental e se torna mais importante a cada dia.

Você já ganha dinheiro com software livre? Deixe seu depoimento.

Continue acessando nosso blog para saber mais sobre softwares livres e participe da nossa comunidade!

Especialização em Linux vale a pena?
Como escolher uma distribuição Linux?