Blog Comunidade Semana do Linux

 Blog Comunidade Semana do Linux

LibreOffice ou MS Office, qual escolher? E por quê?

LibreOffice ou MS Office, qual escolher? E por quê?

Tradicionalmente, se você trabalha com redes/programação e outros atividades de TI mais complexas, você se sente mais confortável utilizando softwares livres. Isso está na veia de quem trabalha nesta área, que faz do custo benefício seu critério de decisão sobre qual software utilizar. O porquê disso é fácil explicar com um pouco de cálculo: se você tem um produto com muitas qualidades dividido por zero custo, as vantagens tendem ao infinito.

Contudo, uma confusão comum é associar todos softwares livres ao Linux e suas distribuições. O Libre Office é um exemplo de como isso não é regra, e que é possível desenvolver e manter softwares livres em sistemas operacionais  proprietários (Windows e OS X, por exemplo).

Daí surge a dúvida: utilizar o Libre Office ou continuar utilizando o tradicional e proprietário MS Office? Vejamos o que os padrões dos arquivos tem a ver com essa decisão e também quais as características mais incisivas de ambos.

Libre Office versus MS Office

O LibreOffice é uma suíte de aplicativos livres, isto é, que podem ser manipulados a vontade sem violação de leis como acontece com softwares proprietários. Essa suíte possui inclusive um sistema gerenciador de base de dados, e os demais programas são maleáveis, bastando que para isso a empresa possua um profissional com habilidade de programação.

Além da possibilidade de alterar de maneira mais intrínseca os programas e formatos, o Libre Office é mais leve que o MS Office, rodando até mesmo em pendrive, sem exigir instalação.

Um dos passos que o MS Office deu que ainda não foi dado (mas está em desenvolvimento pela comunidade) pelo Libre Office foi como SaaS (Software as a Service). É possível utilizar as funcionalidades do MS Office na nuvem. Além disso, existe a possibilidade de edição síncrona por múltiplos usuários, desde que todos estejam utilizando a mesma ferramenta. Aí entra novamente o problema do padrão proprietário. Seria ótimo se tais ferramentas permitissem a utilização de outros editores, mas naturalmente esta não é a política da Microsoft e de demais desenvolvedores de softwares proprietários.

Naturalmente, o MS Office possui suas vantagens (cliente de e-mail, por exemplo) e ainda é a suíte de aplicativos mais utilizada no mundo. O problema principal reside nos padrões dos formatos dos arquivos, que são proprietários, representando um desafio a usuários que precisam editar e manipular tais arquivos.

Padrão aberto x padrão proprietário

Um padrão decorre de um conjunto de normas, que torna possível a reprodutibilidade e armazenamento de informações em arquivos. Tira também do conceito de caixa preta existente em padrões proprietários como os do MS Office e permite a verificação do que realmente acontece em um arquivo.

Dentre as características relativas à padrões abertos (extensível, disponível, de interesse coletivo) temos a disponibilidade de escolha do usuário. Isso quer dizer que um software aberto não restringe a escolha do usuário ao fornecedor. Dessa forma o usuário passivo torna-se ativo, ao entender o funcionamento do que está por trás dos padrões e utilizar isso a seu favor.

De forma mais especifica, o Libre Office faz uso de um formato que já foi reconhecido tanto pela ISO (Organização Internacional para Padronização) tanto pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), o ODF. ODF significa Open Document Format, e se divide em subformatos de acordo com o tipo de documento que é criado (texto, imagem, planilha, apresentação).

É razoável pensar que o ODT, por ser reconhecido e aceito, também pode ser chamado de padrão e colocá-lo na mesma categoria que os padrões proprietários do MS Office, entretanto deve-se lembrar que este é um padrão aberto, passível de mudança e visível para toda uma comunidade, que o altera conforma a necessidade.

Outro ponto importante é que ao padronizar de forma livre um formato, garante-se que ao longo dos anos não ocorrerão mudanças na estrutura do formato. Isso quer dizer que se você tentar abrir um arquivo ODF no futuro ele vai abrir da mesma maneira, mesmo que em outra versão do Libre Office.

Com todas essas vantagens associados aos softwares livre, a sugestão é realizar cursos e melhorar seu conhecimento sobre essas possibilidades, que não só librarão das amarras dos softwares proprietários, mas que também faz uso de conceitos que já são aprendidos naturalmente, como programação.

De forma específica, pense no Libre Office como solução para criação e gerenciamento de arquivos em seu escritório e depois nos conte como foi sua experiência.

Caso tenha alguma dúvida entre em contato conosco ou deixe um comentário!

Continue acessando nosso blog para saber mais sobre software livre e soluções de TI.

Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL
Por que usar softwares livres gráficos?

Artigos Relacionados